Skip to content

Influência do capital

11 de junho de 2015

 

Estado/governo que financia campanha eleitoral comete abuso de poder econômico

Por Marcio Alves Carneiro

Comecemos com a citação do Art. 14 da CF88:

Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:

I – plebiscito;

II – referendo;

III – iniciativa popular.

§ 1º O alistamento eleitoral e o voto são:

I – obrigatórios para os maiores de dezoito anos;

II – facultativos para:

a) os analfabetos;

b) os maiores de setenta anos;

c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.

§ 2º Não podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o período do serviço militar obrigatório, os conscritos.

§ 3º São condições de elegibilidade, na forma da lei:

I – a nacionalidade brasileira;

II – o pleno exercício dos direitos políticos;

III – o alistamento eleitoral;

IV – o domicílio eleitoral na circunscrição;

V – a filiação partidária; Regulamento

VI – a idade mínima de:

a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador;

b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal;

c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;

d) dezoito anos para Vereador.

§ 4º São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos.

§ 5º O Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um único período subseqüente. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 1997)

§ 6º Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até seis meses antes do pleito.

§ 7º São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consangüíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição.

§ 8º O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes condições:

I – se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se da atividade;

II – se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade.

§ 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 4, de 1994)

§ 10. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da diplomação, instruída a ação com provas de abuso do poder econômico, corrupção ou fraude.

§ 11. A ação de impugnação de mandato tramitará em segredo de justiça, respondendo o autor, na forma da lei, se temerária ou de manifesta má-fé.

Citando o artigo do autor:

Art 14 CF88

§ 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 4, de 1994)”.

As Demandas do Art. 14 CF88

A análise do §9º CF88 deve incluir todas as possibilidades abertas à regulamentação infra-constitucional pela CF88.

Vamos listar as demandas infra-constitucionais que a CF88 abre no §9º:

1 – outros casos de inelegibilidade;

2 – e os prazos de sua cessação;

3 – considerada vida pregressa do candidato;

A vida pregressa de candidato a cargo eletivo em nada se diferencia do candidato a emprego – público ou privado -, e o conhecimento da vida pregressa implica em uma investigação.

Tal atividade está definida em lei para a especificação dos cargos públicos nas polícias e FFAA, em que a investigação seja atividade profissional exercida dentro de cargo público ou por pessoa privada – Profissional Liberal.

Assim, a “análise da vida pregressa” é uma exigência da CF88 que nunca foi regulamentada;

4 – A expressão “normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico” contém cinco (5) adjetivos: normalidade; legitimidade; influência; e poder econômico; um substantivo “eleições” e nenhum verbo ou objeto direto. Ou seja, em pleno português, não diz nada.

Tampouco a legislação infra-constitucional que regulamenta este parágrafo estipula parâmetros que pudessem tornar claro o significado dos adjetivos; e

5 – tampouco esclarece o que seriam o “abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta”.

A regulamentação do §9º deve ser feita em SUA ÍNTEGRA, ou seja, não será admitido regulamentar um dos itens acima em uma lei, e outro em outra, uma vez que o parágrafo tem seu efeito por completo em razão de seu texto integral.

Não é um lego jurídico à espera de ser montado.

O parágrafo inicia com a expressão “ Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação”, ou seja, o efeito do parágrafo é continuação do efeito de item anterior.

Porque a preocupação com itens de relativa faciliadade para regulamentação, se o § 4º é muito mais impactante: “§ 4º São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos”.

O que são “inalistáveis”?

O que são “analfabetos”?

O Mensaleiro da Silva, não seria, à época de sua primeira candidatura, um analfabeto?

Existem “quase analfabetos” ou “quase inalistáveis”, à exemplo dos “quase advogados” – os que são reprovados nos exames das OOAAB?

Como fazer para garantir a validade do mandato eletivo e como proceder para obter as provas de abuso do poder econômico, corrupção ou fraude: “§ 10. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da diplomação, instruída a ação com provas de abuso do poder econômico, corrupção ou fraude”? A aparente preocupação do jurista quanto ao abuso do poder econômico poderia ter sido ampliada para as condições anteriores, no art. 14.

Proibição

No dicionário português de Portugal:

proibição | s. f.

derivação fem. sing. de proibir

pro·i·bi·ção |u-i| (latim prohibitio, -onis)

1. .Ato ou efeito de proibir.

2. Interdição.

pro·i·bir |u-i| – Conjugar

1. Ordenar que se não faça.

2. Prescrever a abstenção de.

3. Obstar, impedir, opor-se a.

“proibição”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/proibi%C3%A7%C3%A3o [consultado em 02-06-2015].

No dicionário de português brasiliano:

proibição pro.i.bi.ção sf (lat prohibitione) Ato ou efeito de proibir. Antôn: autorizaçãopermissão.

VERBOS TRANSITIVOS E INTRANSITIVOS1

A palavra transitivo vem do latim transitivus ¬ transitare, que quer dizer passar, decorrer. Veja a palavra trânsito tem a mesma origem e quer dizer passagem, circulação de veículos, entre outros significados. Tendo isso em vista, os verbos classificam-se em transitivos e ntransitivos. Mas, o que é um verbo transitivo? Relacionando-o ao significado da palavra transitivo, é o que precisa de um complemento para que a ação que expressa tenha sentido, isto é, para que a frase tenha sentido, o significado do verbo transita para um complemento. Dito gramaticalmente, o verbo precisa de um complemento. Exemplos:

Comprei tomates. Não gosto de maçãs verdes. Ela deu o presente à sua mãe. Os verbos transitivos podem ser:

1) Transitivos diretos: Marta vendeu seu apartamento. (Marta vendeu o quê? = seu apartamento) O significado do verbo vender se completa com um termo a ele ligado diretamente, isto é, sem auxílio preposição. Este complemento se chama objeto direto.

2) Transitivos indiretos: Creio em Deus. (Creio em quem?=em Deus) O significado do verbo crer se completa com um termo a ele ligado indiretamente, isto é, com auxílio de preposição. Este complemento se chama objeto indireto.

3) Transitivos diretos e indiretos: Aconselho meus alunos a lerem todos os dias.(Aconselho quem? a quê? = meus alunos a lerem todos os dias)

O verbo aconselhar necessita de dois termos para completar seu sentido: um ligado a ele sem preposição, e outro, com preposição. Neste caso, temos um objeto direto e um objeto indireto. E o que é um verbo intransitivo? É o que já tem sentido completo, que não precisa de complemento. O prefixo in indica negação. Intransitivo = não-transitivo, o seu significado não precisa transitar para um complemento. A criança dormiu. (O verbo dormir não precisa nem de objeto direto nem de objeto indireto).

Referências

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 46. Ed. São Paulo: Ed. Nacional, 2005.

http://www.mundovestibular.com.br/articles/1686/1/VERBOS-TRANSITIVOS-E-INTRANSITIVOS/Paacutegina1.html http://www.gramaticaonline.com.br/gramatica/janela.asp?cod=58 http://www.brasilescola.com/gramatica/regencia-verbal.htm

Quem proíbe, proíbe ALGO, isto é, o verbo é transitivo direto. A proibição deve ser completamente explicitada, clarificada, unicamente identificada, ou será inócua, dispicienda.

Qual a definição de “poder econômico”?

O Banco Central emite ordem à Casa da Moeda para “imprimir” “x” dinheiros da moeda nacional.

A moeda é distribuída aos Bancos Privados para ser usado pela economia. Quem, nesta cadeia, é o RESPONSÁVEL pela produção da DÍVIDA?

Porque se o Banco Central emite moeda, o povo assume a dívida relativa à tal emissão. É um sistema fracionário, baseado na dívida que a sociedade assume quando o governo emite moeda.

Assim, os bancos são os operadores da dívida interna, seu trabalho é aumentar a dívida interna.

A dívida interna é obra da iniciativa privada e dos empresários?

A taxa de inflação é produzida pelas empresas?

Com que autorização “legal” o Estado fez um campeonato de futebol? A iniciativa privada é incapaz? Os estádios e as partidas eram de interesse da segurança nacional?

Os eventos não foram usados pelo governo para se eleger novamente?

Onde está o “abuso” do poder econômico em uma eleição? No Estado? No Governo? Na iniciativa privada? Na Igreja?

Os partidos políticos são ENTIDADES PRIVADAS.

Não podem ser controlados, de acordo com a CF88.

O mesmo para os sindicatos.

Os partidos políticos têm empregados, como toda empresa privada.

O sistema político se baseia no fato de pessoas serem eleitas para exercerem funções de natureza pública a partir de eleições entre partidos privados.

Os partidos privados defendem os INTERESSES PRIVADOS dos seus membros, seguidores e financiadores.

Logo, os ELEITOS são eleitos para representar os mesmos interesses privados. Logo, o dinheiro que financia a campanha dos representantes (privados) dos interesses privados (e dos financiadores também) também é PRIVADO.

Logo, toda a campanha política, assim como todas as instituições políticas envolvidas, são PRIVADOS.

E se tudo está de acordo com a CF88 – TUDO PRIVADO -, onde está o crime, ou o erro, em ser privado, aquilo que se supõe seja privado desde o nascedouro?

Em “1.2. Ora, ao dispor que lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade, o Magno Texto Federal está a convocar a lei da espécie complementar para ir além do que ele foi nesse mesmo tema: inelegibilidades. Está a requestar a lei da espécie complementar para ampliar o próprio rol constitucional de inelegibilidades. Ponto pacífico! Isso com o mesmo propósito de proteger bens jurídicos de logo explicitados: a probidade administrativa, a moralidade para o exercício do mandato (considerada a vida pregressa do candidato), a normalidade e legitimidade das eleições populares. Mas proteger de quê esses nominados bens jurídicos? Contra a influência do poder econômico, ou o abuso de função, cargo ou então emprego na Administração Pública Direta e Indireta.” não há uma só evidência de causa e efeito entre os requisitos de moralidade e o financiamento. O financiamento de campanha, segundo a interpretação do autor, é o crime que viola a santidade da moralidade pública. Ora, se os corruPTos – que estão NO ESTADO – precisassem de recursos de outra natureza para promoverem seus INETERESSES PRIVADOS, os usariam. Não precisariam do dinheiro.

A corrupção não está no dinheiro, está no poder político, e empresas e bancos não têm poder político. Somente o Estado tem o poder político de produzir o dinheiro.

Pagam as campanhas dos políticos que se comprometem em representar seus interesses.

Mas isto qualquer empresa, banco, sindicato, associação, etc … , pode fazer.

Qualquer pessoa é livre para criar um banco.

Basta convencer um número suficiente grande de pessoas com dinheiro para fazer o banco.

A inclusão do poder econômico no texto tem o objetivo de tirar do olho do furacão a verdadeira origem da corrupção: os funcionários públicos.

O funcionário público é a fonte de poder que OBRIGA o privado a se submeter, ou não vende, não presta o serviço, não é pago.

Os depoimentos feitos no Congresso Nacional pelos empresários e atravessadores (consultores) das empresas privadas, e dos próprios funcionários públicos que ocupavam os cargos envolvidos na corrupção na PETROBRAS são claros em provar que os ocupantes dos cargos públicos é que promoveram a corrupção, e os empresários ou se submetiam ou ficavam de fora do “mercado”.

A vítima é tornada criminoso para justificar o criminoso não ser punido, ou diminuir a punição.

As punições do caso PETROBRAS, estão muito aquém do prejuízo privado que causaram, e os criminosos são defendidos por setores da sociedade que estão comprometidos em defender seus próprios interesses privados e corporativos, pois que alegam, sempre, que defendem o “interesse público” e o “bem público”.

O abuso do cargo público para defender os interesses privados de seus ocupantes É o crime de corrupção. O fato de se servirem da iniciativa privada, que não pode recusar o trabalho, para viabilizarem seus atos de corrupção, não criminaliza a iniciativa privada, ao contrário, torna muito claro que a empresa É a vítima do mau uso do cargo público, e não o contrário. Nenhum empresário seria tão burro a ponto de contratar um corruPTo para fazer um trabalho que um profissional deveria fazer. Simplesmente porque é um CUSTO A MAIS, um IMPOSTO A MAIS.

Todo corruPTo É um custo adicional, e nenhuma empresa pode concorrer num mercado competitivo com custos altos e crescentes.

É ilógico, do ponto de vista econômico, que uma empresa privada corrompa o mercado, pois isto já seria uma vantagem competitiva que a própria empresa estaria pagando, gratuitamente, para as demais concorrentes no mercado.

Como as empresas não podem vender para o governo do B, só tem UM CLIENTE, se submetem a qualquer humilhação para vender.

Porque se não venderem, FECHAM.

Assim, os funcionários públicos em seus cargos ÚNICOS é que corrompem o Estado, fazendo uso das empresas, cuja lógica de mercado faz com que façam negócios apesar de o fazerem com criminosos.

Do parágrafo 1.2 até o 2, o autor REPETE o mantra contra a “influência do poder econômico”, desconsiderando que o poder econômico é PARTE do jogo político em que ELEITOS são eleitos como REPRESENTANTES de INTERESSES PRIVADOS.

Quando assumem seus cargos políticos, recebem, com o cargo, atribuições que os obrigam a promover a defesa de interesses de outros interessados também, além dos interesses de seus eleitores.

Mas esta É a regra do jogo.

Culpar o “poder econômico” é uma forma de NÃO CULPAR os funcionários públicos pela corrupção, e assim, imprimir “modificações” no sistema que preserve os interesses PRIVADOS dos funcionários públicos corruPTos, e penalize, se não eliminar de todo, a defesa dos interesses privados dos financiadores das campanhas.

Este discurso todo lembra o debate com o bode na sala. E o bode é o “poder econômico”.

A manipulação do texto é tão explícita que o autor repete exaustivamente o mesmo mantra para tornar verdade sua FALSIDADE pública: as eleições populares hão de transcorrer em ambiência de normalidade e legitimidade quanto à formação da vontade eleitoral dos cidadãos. Ambiência ou atmosfera ou condições de normalidade e legitimidade que resultarão perturbadas, por definição, se houver influência do poder econômico e/ou abuso do exercício de função, cargo ou emprego públicos no processo eleitoral em si” é a repetição do mantra.

Vamos destacar os elementos da FALSIDADE:

1 – “eleições populares hão de transcorrer em ambiência de normalidade e legitimidade”

Em primeiro lugar, as eleições NÃO SÃO POPULARES, são OFICIAIS, já que TODO o processo eleitoral é produzido, implementado, operacionalizado, fiscalizado, contratado, mediatizado pelo ESTADO, via Justiça Eleitoral. Então, só pode haver UMA FONTE DE CORRUPÇÃO: O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL.

Porque é o ÚNICO RESPONSÁVEL.

Se as eleições fossem populares os populares teriam a responsabilidade de todas as fases da eleição, isto é, a CF88 diz que tem de haver eleições e o POVO FARIA AS ELEIÇÕES.

Até pode haver DINHEIRO PÚBLICO, advindo dos impostos, para pagar o trabalho, mas TODO o trabalho deveria ser feito por pessoas que se dispusessem a fazê-lo, isto é, o POVO.

Mas tal não acontece no Brasil. É o SERVIÇO PÚBLICO o responsável pelas eleições em todas as suas fases.

Logo, NÃO PODE HAVER CORRUPÇÃO PRIVADA ou oriunda de poder econômico, já que o privado NÃO INTERFERE.

Quando o autor se refere à CF88 como proibindo o poder econômico, esquece que os partidos políticos SÃO entidades PRIVADAS e DEFENDEM INTERESSES PRIVADOS, os interesses da PARCELA da população que se agremia no partido para promover o atingimento de seus INTERESSES PRIVADOS.

Logo, sempre haverá a presença do poder econômico nas eleições, desde a criação e manutenção dos partidos políticos, até as campanhas políticas dos candidatos aos cargos eletivos.

É impossível não haver a presença do poder econômico, pois é o que PAGA O PROCESSO ELEITORAL.

Mas fica uma questão: se um candidato é eleito SEM a presença do poder econômico, QUAL o interesse privado que ele vai defender?

Se um candidato é eleito SEM o poder econômico privado, então TODOS OS QUE VOTARAM em outros candidatos ou nos candidatos que não foram eleitos estão PAGANDO A CAMPANHA E A AÇÃO POLÍTICO do eleito, que irá representar CONTRA SEUS INTERESSES.

Isto é, os eleitos são eleitos CONTRA a vontade da MAIORIA dos eleitores e defendem os interesses privados de seus eleitores financiados pelos eleitores derrotados.

Quando o autor se refere, criminosamente, ao poder econômico, como sendo o culpado pela corrupção “pois não há como o poder econômico, enquanto poder econômico mesmo, participar do pleito sem dar as cartas ou pôr as mangas de fora” convenientemente esquece que não há como evidenciar em que ponto do processo eleitoral houve a interferência, isto é, o poder econômico SEMPRE estará presente na campanha, pois poderá investir recursos em pessoas ou partidos fora da campanha e reclamar esta autoria na campanha.

Isto promoverá uma série de associações espúrias na sociedade, com agremiações não-político-partidárias criando formas de financiar a ação de seus representantes fora do âmbito político. Criando um estado dentro do estado, como as organizações terroristas árabes, que prestam serviços públicos, ou igrejas, que têm “ações sociais”, nitidamente eleitoreiras e que nada têm a ver com a missão “sagrada das almas”.

Afinal, negócio é negócio.

Porque o autor não se refere à presença da Igreja Católica, da Igreja Evangélica, do Judaísmo e dos Muçulmanos nos pleitos?

Porque não explica que a França não existirá mais como uma nação ocidental dentro dos próximos 40 anos, transformada, que será, em república islâmica?

O Poder Religioso é “bom” e o poder econômico é “ruim”?

Como ignorar o poder da PETROBRAS em obrigar as empresas a fazerem o que seus “funcionários públicos” querem, e pelas razões espúrias que demonstraram, ao dizer que “Sem dobrar à sua força pecuniária ou fazer vergar ao seu peso patrimonial-financeiro-corporativo a espinha dorsal da vontade do eleitor”, sem reconhecer que os eleitores não se vêem representados pelos funcionários da PETROBRAS?

Os interesses patrimoniais-financeiros-corporativos dos corruPTos da PETROBRAS não assistem às necessidades do povo brasiliano. A miséria no nordeste continua enquanto os membros da quadrilha do Mensaleiro da Silva – foi ele quem nomeou a maioria dos criminosos que estão sendo presos agora – enriquecem e enriquecem os corruPTos do partido dele e dos partidos da “base aliada”.

E as “propostas dos políticos” no PPA e orçamento são feitas com dinheiro roubado do próprio povo.

Isto é, você paga impostos para serem roubados e “distribuídos” entre os companheiros – deve ser esta a redistribuição de renda que os “trabalhadores” e comunistas tanto falam – e depois pagar para as empresas privadas – associadas aos funcionários corruPTos – para fazer o que já deveria estar feito.

A necessidade de fazer a FALSIDADE ser uma verdade – fabricada – é tão forte que ao dizer que “O poder econômico enquanto poder empresarial e vice-versa” o autor “esquece” que o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e as “empresas” públicas SÃO o poder econômico mais abjeto e criminoso, corruPTo, que poderia ser engendrado por uma quadrilha de criminosos, e têm influência nas eleições. Porque os “democratas” não lembram de proibir a publicidade das empresas públicas durante o período de campanha (oficial) eleitoral?

A ”Minha Casa Minha Dívida” entrega a miséria industrializada SEM PISO e SEM REBÔCO para pessoas pobres que assumem uma DÍVIDA para com o ESTADO. Mas não é uma obrigação do Estado INVESTIR na superação da pobreza e prover a dignidade da moradia? Como fazer isto com DÍVIDA do cliente?

Como as empresas que prestam os serviços de construção civil para a CEF poderiam pensar em fazer algo melhor? Se NÃO PODEM!

O autor chega às raias da covardia ao manipular, com presteza militar, as palavras como espadas afiadas: “Cargos de natureza parlamentar, cargos de chefia do Poder Executivo. Categoria jurídica essa, a do “poder econômico”, logicamente associada ao significado de poder empresarial. Como expressão mesma da “livre iniciativa” ou centrado lócus de movimentação das pessoas vocacionadas para os misteres da produção de riqueza material com o objetivo de lucroe deliberadamente “esquecer” que a INICIATIVA PRIVADA é FUNDAMENTO DA REPÚBLICA – Art. 1º CF88 – e TUDO O MAIS a que ele se refere, incluindo aí as ELEIÇÕES E A JUSTIÇA ELEITORAL, NÃO SÃO FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA.

Assim, para propiciar aos criminosos, que ele próprio denuncia, perpetrarem atos de corrupção com empresas, a oportunidade de ficarem isentos de qualquer responsabilização, pois se, como diz o autor, a corrupção SÓ associa os ocupantes dos cargos públicos QUANDO o “poder econômico” está presente, então, não haverá corrupção quando não houver poder econômico, ou seja, vivermos todos, alegremente, em um mundo comunista e puro, sem “dinheiro”, e, mais importante, SEM EMPRESAS PÚBLICAS.

Mas o descaramento da FALSIDADE atinge o mais alto grau quando o autor acusa o empresário privado de ser criminoso, quando o criminoso estatal é o único que tem o poder para impor ao privado as condições de funcionamento da economia. Veja-se a elevação continuada da taxa de juros da economia.

É BURRICE aumentar a taxa de juros da economia porque ela entra em TODA a cadeia econômica, tornando TUDO MAIS CARO, o que DEPRIME a renda do trabalhador: “Que são os empresários do setor privado. Empresários do setor privado da Economia ou classe empresarial, expressão acabada do poder de organizar os fatores da produção (natureza, capital, trabalho, tecnologia…) para o encarecido fim de lucratividade. No entanto, o autor ESQUECE NOVAMENTE que os “funcionários públicos” que promovem a corrupção são os “executivos do Estado”, são os “empresários públicos”.Como você designaria o presidente do Banco do Brasil: banqueiro?

Como você designaria o presidente da INFRAERO: CEO?

Afinal, quem são os “empresários corruPTos” na economia.br?

Mas a FALSIDADE precisa de provas que é verdadeira: “Por consequência, classe empresarial enquanto consubstanciação do poder econômico, pois não há como separar as duas categorias jurídicas: poder econômico e classe empresarial”, mostra mais um esquecimento por parte do autor: poder econômico, classe empresarial e funcionários públicos que intervêm na economia: o Crime Organizado no Estado.

A interpretação da CF88 a partir dos pressupostos da ideologia comunista – tanto o comunismo materialista quanto o comunisto teísta – e a falsificação de verdades a partir do INTERESSE PRIVADO em implantar um regime comunista no Brasil, de modo a RECUSAR e, mesmo, NEGAR o Art. 1º da CF88:

Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: (grifos nossos)

I – a soberania;

II – a cidadania

III – a dignidade da pessoa humana;

IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V – o pluralismo político.

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Ao “casar” os artigos da CF88 de modo a que sua intrepretação comunista seja a “correta”, o autor “esquece” que viola, diretamente, a CF88, ao autorizar o descumprimento do Art. 1º e ANULAR OS FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA para servir-se da mesma constituição para implantar, “legalmente”, seu regimezinho de exceção particular (privado). O Art. 173 diz:

Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei.

§ 4º – lei reprimirá o abuso do poder econômico que vise à dominação dos mercados, à eliminação da concorrência e ao aumento arbitrário dos lucros.

É fácil notar que a CF88 admite a exploração econômica por parte do Estado RESSALVADAS as condições de o fazer, isto é, CUMPRINDO O ART. 1º e PRESERVANDO O FUNDAMENTO DA REPÚBLICA “IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa“, ou seja, o Estado NÃO PODE EXPLORAR A ECONOMIA quando a INICIATIVA PRIVADA o fizer, e a CF88 não autoriza a imposição de condições para descumpri-la e escolher quando e no quê o Estado (aqueles funcionários corruPTos que ocupam os tais cargos que deveriam ter probidade) o faça.

O que o autor quer, mesmo, é violar a CF88 com sua própria interpretação para servir aos seus próprios interesses privados e promover a implantação “legal” do comunismo no Brasil.

Isto lembra, muito de perto, a Constituição Germânica que autorizou a morte dos judeus, a supressão de seus BENS PRIVADOS. Não esquecendo que o nacional-socialismo (alemão e nazista) se diferencia no internacional-socialismo (russo e soviético) apenas no fato que um é internacional (proletários do mundo, uni-vos) e o outro é nacionalista (supremacia germânica e étnica).

Não nos enganemos: os internacionais-socialistas e o s nacionais-socialistas (soviéticos e nazistas) eram ALIADOS NA INVASÃO DA POLÔNIA, que iniciou a Segunda Guerra Mundial.

E foram aliados por anos durante a guerra, até que Hitler tentasse invadir a Rússia.

Esta flexibilidade com o uso militar das leis que o autor usa e abusa tem origem no proletariado.

O desespêro de mostrar que o Estado é “bom” leva a FALSIDADE à sua própria especialização: “Intervenção atípica ou a título de exceção, conforme estabelecido pela cabeça do artigo 173 dela própria, Constituição Federal (“Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos de segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei”). Por isso que não se pode identificar juridicamente o Estado com o setor privado da Economia “ Grifos nossos.

Uma “intervenção atípica” em que a energia é um MONOPÓLIO ESTATAL – não existem empresas livremente concorrendo no mercado de energia -, de aviação – o Estado “vendeu” (impôs ao privado a compra falsa) -, financeiro – o Estado IMPÕE uma “taxa de juros social”, a mais alta do mundo, a uma sociedade que ainda vive de “commodities”, quase indígena -, tornando toda a operação da economia em um prejuízo em escala, em que a produção cultura de uma cidade de um Estado dos Estados Unidos da América é superior à produção cultural de todo o Brasil – literalmente não existe indústria do cinema no Brasil.

Se fossemos explicitar o grau de intervenção do Estado na economia tomaríamos muito mais tempo com o tema do que o texto que o autor nos traz.

É uma FALSIDADE DESCARADA!

E repete o mantra da corrupção do Estado: “Com a classe empresarial. Com o poder econômico. Ele é sempre e sempre o nervo e a carne da esfera política, tanto quanto a classe empresarial é a carne e o nervo da esfera econômica

Poderia parafrasear o autor: Com o funcionalismo público. Com o poder econômico estatal. Ele é sempre e sempre o nervo e a carne da esfera política, tanto quanto a classe empresarial é a carne e o nervo da esfera econômica.

Creio que agora a frase está completa … com a verdade.

Para poder promover a violação da CF88 de modo a ser “aceito”, ideologicamente, o autor refaz o mantra: ““só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei”, reitere-se o juízo””, e reforça o ataque às instituições privadas que a CF88 define como FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA.

A expressão “conforme definidos em lei” autoriza a violação à CF88, pois a autorização, comando mesmo, que a constituição faz quanto às condições em que o Estado poderia ter atividade econômica, em nenhum momento autoriza ao legislador violar os FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA para cumprir a CF88 e criar um novo sistema “legal” em que o Estado passa a poder intervir na economia após uma legislação infra-constitucional permissiva ser passada para atender aos INTERESSES PRIVADOS dos grupos econômicos comunistas.

A interpretação autorizativa da violação ao Art. 1º se torna clara quando o autor diz que “o típico do Estado em face da Economia é mesmo sua atuação como “agente normativo e regulador”, em cujo âmbito “exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e indicativo para o setor privado”, como se o Estado tivesse qualquer condição de regulamentar ou regular justamente aquilo que não conhece: o MERCADO.

As ações de natureza econômica são de natureza econômica, e não administrativas, logo, apenas os operadores das atividades econômicas têm as mínimas condições de fazer a regulamentação e a regulação das SUAS atividades econômicas.

Assumir, de plano, que os operadores da economia privada são TODOS corruPTos apenas porque são privados, é negar a premissa do Estado Brasiliano, que é de ter o Poder de Império formado pela eleição simples de pessoas por seus pares – justamente aqueles empresários que os comunistas taxam de “ruins”, isto é, são “bons” para votar para presidente, mas não para serem empresários na economia, e por isto, precisam “ser tutelados”, e logo pelos que não sabem nada do que tutelam.

E as provas estão aí, para todos verem, com as “desonerações” – nada mais do que diminuir o imposto que não sabiam que estava errado, e que ficará um pouco “menos errado”.

E porque assim é, nas empresas estatais o lucro será sempre um meio, e não um fim em si mesmo, porque fim em si mesmo é o respectivo objeto social ou ramo de atividade“, o que equivale dizer que os fins justificam os meios.

SIG!

SIG!

HEIL!

A total politização da economia com a nomeação de funcionários públicos para empresas estatais que terão um fim em si mesmas, já que as empresas privadas são “más”, é a verdade maior deste autor neo-feudalista: “Mais exatamente, o objeto social ou ramo de atividade de qualquer empresa estatal é que se põe como fim em si mesmo, porém no plano da imediatidade. Porque no plano da mediatidade, aí, sim, os fins que preponderam são aqueles encartados na esfera definidora do próprio Estado: a esfera essencialmente política“, introduz o regime de exceção particular que o autor quer implantar, “convencendo” todo mundo que a CF88 assim o diz para fazer.

Na verdade, o autor usa o Direito Administrativo como lavanderia do Crime Organizado no – e pelo – Estado, usando os partidos políticos – que são entidades privadas – como lavanderias políticas para justificar que os interesses privados – dos partidos políticos privados – não possam ser honrados, porque não são os privados que ele quer.

Finalmente, converte a vítima em réu: “mesmo que a esfera política venha a influenciar o processo eleitoral pelo emprego do vil metal, essa influência é de ser interpretada, juridicamente, como abuso do exercício de cargo, função ou emprego públicos”, ou seja, o poder econômico é que “abusa” do cargo público, quando os criminosos que perpetraram o assalto à PETROBRAS reconhecem que obrigaram os empresários a fazer o que fizeram para poder trabalhar com o governo.

Mestre na arte da dialética hegeliana/marxista, vem o autor com a síntese, que não tem nenhum elemento da tese e da anti-tese: “Retorno à descrição dos parágrafos 9º e 10 do Artigo 14 da Constituição. O primeiro deles, veiculador de proibição do uso do poder econômico no processo eleitoral, debaixo da presunção absoluta (jure et de jure, portanto) de que tal uso corresponde, na prática, a abuso”, com a FALSIDADE que o §9º proibe a ação econômica, na medida em que destina à legislação infra-constitucional as medidas: “contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta”, quando a prática mostra que é justamente o contrário que acontece: os funcionários públicos atentam contra a integridade do MERCADO e OBRIGAM empresas a servirem aos seus próprios interesses privados de continuidade no poder político.

Nosso sistema político é baseado na ação da iniciativa privada porque ela é um FUNDAMENTO DA REPÚBLICA. Os órgãos públicos a que o autor se refere, TODAS as empresas públicas e agências regulatórias, os bancos estatais, são MERAS AÇÕES DE INTERVENÇÃO DESAUTORIZADA NA ECONOMIA, não se constituem em FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA, logo, não se constituem em “interesse público” ou em “bem público”.

São a fonte da corrupção política e administrativa.

A conclusão fascista contra um fundamento da república: “tolerar o financiamento empresarial de campanha eleitoral é favorecer o próprio somatório do poder econômico e do poder político” esquecendo – novamente – que o Estado Empresário – bancos, agências regulatórias, empresas públicas, etc -, tem o poder econômico MAIS o poder político que este poder econômico escraviza para favorecer os corruPTos funcionários públicos na defesa de seus interesses privados, corporativos e patrimonialistas.

Em nenhum momento o autor identifica outro campo de análise para encontrar a fonte da corrupção política e econômica. Para ele, os empresários têm de morrer …. economicamente e politicamente.

Em nenhum momento o autor traz uma nova ideia de alteração do sistema eleitoral e político de modo a dificultar a corrupção; não, ele quer a corrupção estatal livremente atuante.

Em “6. A distinção entre o uso e o abuso do poder econômico no parágrafo 10 do artigo 14 da Constituição. O poder econômico enquanto poder empresarial e vice-versao autor, ao citar o Art. 173 CF88, o autor “esquece” – ele sempre esquece o que não é do interesse de sua ideologia demonstrar – o Art. 1º CF88, que institui os FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA, e a INICIATIVA PRIVADA é um FUNDAMENTO DA REPÚBLICA, euquanto o sistema eleitoral NÃO É UM FUNDAMENTO DA REPÚBLICA, A ELEIÇÃO O É!

Com que agenda “secreta” ou interesse escuso o autor usa o Art. 173 CF88 para ANULAR o Art. 1º CF88, e aos FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA?

Com que objetivo o autor anula o PODER DE IMPÉRIO E O PODER DE GESTÃO do Estado Brasiliano ao concordar que quanto “Mais: o poder econômico a simbolizar a “livre iniciativa”, tanto quanto a livre iniciativa a ter por titular a classe dos empresários” e “esquece” novamente, que se trata de um FUNDAMENTO DA REPÚBLICA?

O autor também, muito convenientemente, deixa de lado as definições jurídicas para adotar as ideológicas, em “7. O sentido atípico da protagonização estatal de atividade econômica e a rigorosa desidentidade jurídica entre os dois poderes: o político e o econômico” para redefinir “poder” como algo de natureza política e a economia como poder jurídico. Nem um, nem outro. O “poder” político não existe. A política é a ação social que as pessoas desenvolveram como forma de evitar a predação natural. Superamos a vida em bando, a vida em tribo para conviver, de acordo com nossas heranças genéticas, em um ambiente modificado, urbanizado, com muitas tecnologias acessórias.

O “político” não é um Poder.

E o “poder econômico” não é privativo da INICIATIVA PRIVADA – FUNDAMENTO DA REPÚBLICA -, mas do Estado – com o Poder de Império e o Poder de Gestão -, e do Governo – aquela instituição que escolhemos, elegemos, e por isto a representatividade política não pode ser negociável com os comunistas, para fazer as atividades que garantem a NOSSA LIBERDADE DE FAZER AS NOSSAS.

Assim, o autor deliberadamente escolhe não respeitar os DIREITOS INDIVIDUAIS e tratar os seres humanos como gado, ao impor DEVERES COLETIVOS – direitos coletivos é mais uma invenção, como “presidenta”, que não existem – para iludir as pessoas com uma falsa lógica formal – matemática.

O autor reconhece, em “o Estado também protagoniza atividades econômicas” o que todos no Brasil estão cansados de saber – cançados de çaber – que o governo e o Estado – os comunistas e demais formas de proletaristas – NÃO SABEM NADA DE ECONOMIA e praticam a INTERVENÇÃO na vida privada – violando frontalmente o Art. 1º CF88, que estabelece a INICIATIVA PRIVADA como FUNDAMENTO DA REPÚBLICA -, e na vida econômica – alegando o Art. 173 CF88 – até a exaustão dos recursos sociais e econômicos da sociedade, chegando, finalmente – ou quase – à condição de usar a “privatização” e a “concessão” como uma forma de “consertar – conçertar” o “erro dos capitalistas” – eles, os comunistas, nunca erram, e quando um erro deles é achado, atribuem a outrem, geralmente aos neo-liberais, que também não existem, mas que os neo-feudalistas insistem em culpar pelos próprios crimes -, e permanecer nos seus cargos “políticos” – usam o Estado para infiltrar a escória marxista/gramsciana com o objetivo de apodrecer a “sociedade burguesa” a partir de dentro.

Como não pode mais esconder debaixo do tapête a inépcia do Estado interventor, alega que “o Estado como setor público mesmo, com a diferença de que se põe a intervir diretamente na atividade econômica do País. Intervenção atípica ou a título de exceção, conforme estabelecido pela cabeça do artigo 173 ” é justificativa para esconder que a “exceção” é, na verdade, a regra, pois o Art. 173 CF88 é usado para forjar a falsificação da CF88 e para promover a intervenção em todas as áreas da sociedade, de forma criminosa – bem ao estilo de Gramsci – tornando o Direito Administrativo na Lavanderia do Crime Organizado no, e pelo, Estado.

De todas as mentiras, a que diz que “Por isso que não se pode identificar juridicamente o Estado com o setor privado da Economia. Com a classe empresarial. Com o poder econômico

desconsidera que o Estado é composto pelo Poder de Império e pelo Poder de Gestão, e que este último É a tal da “sociedade civil organizada” (não tão bem organizado quanto o Crime Organizado no Estado (pergunte ao Ministério Público Federal), é a ação econômica da sociedade civil, É a ECONOMIA, logo, os empresários SÃO PODER DO ESTADO!

Vá estudar!

Mas o autor CONFESSA o crime: ““só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei”” viola FRONTALMENTE o Art. 1º CF88, in verbis:

Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I – a soberania;

II – a cidadania

III – a dignidade da pessoa humana;

IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V – o pluralismo político.

Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Novamente, o autor “esquece” que usa a CF88 CONTRA ela mesma.

Ao citar o Art. 173, “esquece” que ele não pode ir contra o Art. 1º, in verbis:

Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei.

§ 1º A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de serviços, dispondo sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

I – sua função social e formas de fiscalização pelo Estado e pela sociedade; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

II – a sujeição ao regime jurídico próprio das empresas privadas, inclusive quanto aos direitos e obrigações civis, comerciais, trabalhistas e tributários; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

III – licitação e contratação de obras, serviços, compras e alienações, observados os princípios da administração pública; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)grifos nossos.

Isto é, a III – licitação e contratação de obras, serviços, compras e alienações, observados os princípios da administração pública; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) é a ÚNICA FORMA DO ESTADO, de acordo com o “§ 1º A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de serviços, dispondo sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) explorar atividade econômica E respeitar ao FUNDAMENTO DA REPÚBLICA: “IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa“.

Isto é, fica óbvio – ululante – que o Estado NÃO PODE EXERCER ATIVIDADE PRIVADA SE A ATIVIDADE PRIVADA É EXERCIDA pela INICIATIVA PRIVADA – não pode violar um FUNDAMENTO DA REPÚBLICA a partir de alegações ideológicas -, e, TODAS as atividades que o Governo, agora, novamente, quer “privatizar”, “conceder” JÁ FORAM ATIVIDADES PRIVADAS exercidas pelo FUNDAMENTO REPUBLICANO – INICIATIVA PRIVADA, Poder de Gestão do Estado – até o momento em que os proprietários – legítimos, pois a propriedade que lhes fora subtraída o fora por motivos ideológicos, e não por terem violado um princípio moral ou ético na obtenção de suas propriedades – serem ROUBADOS por quem ocupava o Estado – como agora ocupam.

Então, não há o que “privatizar” ou “conceder”, pois é o caso de DEVOLVER AOS LEGÍTIMOS PROPRIETÁRIOS O QUE LHES FORA ROUBADO, antes, pelo MESMO ESTADO.

Após a devolução, caberão as ações correspondentes de Danos Morais e Materiais, do momento da espoliação inicial, até a devolução presente.

Mas o autor não fica por aí, e quer justificar o crime – que o Estado agora quer minimizar com as privatizações – de roubar o que era privado, alegando uma justificativa de natureza mora: “Daqui se deduz que o típico do Estado em face da Economia é mesmo sua atuação como “agente normativo e regulador”, em cujo âmbito “exercerá, na forma da lei, as funções de fiscalização, incentivo e planejamento, sendo este determinante para o setor público e indicativo para o setor privado” (cabeça do artigo 174) , novamente “esquecendo” que, mesmo tendo roubado “legalmente” – como agora quer devolver, legalmente, “privatizando”, mas sem pagar pelos crimes originais – não tem ninguém no tal “Estado” com capacidade de normatizar o que, de início, não conhecia ao espoliar os proprietários, e agora, ABANDONA culpando as vítimas ao cobrar-lhes para ter, de volta, o que lhes é de direito.

Mas a mentira não pára por aí: “embora signifique a possibilidade de o Estado-empresário operar com maior competitividade perante os atores econômicos privados”, equivale a dizer que os neo-liberais foram os culpados por tudo o que não fizeram ou disseram ter funcionado em todos estes quase 140- anos de República Democrática e Popular.

O Estado ter maior competitividade que a iniciativa privada? Este sujeito não é ignorante, é de má índole, é corruPTo, é uma doença social que Gramsci inoculou na socedade civil desorganizada.br.

Admitir que o “setor público” – isto não existe – é monopolista e aceitar que os males do monopólio são, agora, “bons”, por serem praticados pelo Estado, é tão criminoso quanto enfiar uma faca nas costas de alguém.

Para este sujeito, economia é algo que ele faz do jeito que ele quer que seja feito, e “dane-se o mundo”, que se submeta.

O ódio ao privado não mostra o que o privado tem de ruim, mas o que há de ruim em quem não consegue se adaptar à vida em uma sociedade onde seus membros tenham respeitado o seu DIREITO DE SER DEIXADO LIVRE.

Isto é, o Estado, as instituições privadas e as outras pessoas, todas, não TÊM O DIREITO de interferir no seu DIREITO DE SER DEIXADO LIVRE.

Ninguém pode ter o poder de, livremente, iniciar uma atitude violenta contra você, sua posse ou propriedade, sem uma sanção proporcional, imposta por um membro do Estado escolhido para este fim.

Escolhido para este fim.

Isto significa que a polícia é uma instituição que você elege para fazer a sua segurança. Você deveria ter votado no Chefe de Polícia de sua cidade, pois escolheria um profissional que conhece o assunto e que vai providenciar a segurança dos cidadãos.

Você deveria ter votado no Juiz da Cidade, pois é na eleição do Poder de Império que você mostra o quanto você respeita seus semelhantes. Você poderia ser um destes eleitos, e tenho certeza que você iria querer ser respeitado.

Os membros da “elite” jurídica do Brasil – não nego a este autor a posição de elite, apenas não a quero minha elite – querem promover a construção de um país comunistas segundo a receita do Chèf Gramsci, que corrige os rumos da revolução comunista no mundo abandonando a revolta armada e o extermínio dos que não se submete ao comunismo, pela infiltração e apodrecimento das instituições “burguesas” a partir de dentro.

Por isto este discurso monótono e monocrômico, repetitivo – porque Pavloviano – e religioso: eles crêem no que repetem, embora não entendam o que dizem.

Não à toa as igrejas se unem aos proletaristas, pois todos têm um fim em comum: a dominação do mundo pela destruição dos valores ocidentais criados pela Revolução Liberal nos Estados Unidos da América e Inglaterra.

Estudai e Vigiai!

Reforma política

Furtado Coêlho diz que distritão e financiamento empresarial são combinação tóxica

17 de maio de 2015

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, criticou a proposta de eleição por “distritão” e o financiamento de campanhas por empresas. “São uma combinação tóxica para o Brasil”, asseverou.

Figura 1: Para Furtado Coêlho, melhor opção é o modelo de voto distrital misto.

Segundo Marcus Vinicius, o país não pode, mais uma vez, perder a oportunidade de fazer uma reforma política democrática que diminua a influência do poder econômico e do personalismo nas campanhas.

Os políticos têm de entender que essas medidas são de sobrevivência do sistema no Brasil. Não percebem que a cada eleição só mudam os personagens, mas o modelo é o mesmo. Quanto mais terá que ser revelado antes que mude?”, questionou.

Sobre o poder econômico, Marcus Vinicius explicou que o sistema eleitoral brasileiro estimula a corrupção e o Caixa 2 ao permitir campanhas “milionárias e hollywoodianas”.

O que justifica um marqueteiro receber R$ 50 milhões em três meses de campanha? Ao existir isso, os políticos têm de arrecadar milhões. E não existe almoço grátis. Temos que proibir o financiamento de empresas, principalmente aquelas que têm contratos com poder público”, afirmou.

A proposta da OAB, segundo Marcus Vinicius, é a eleição distrital em dois turnos. O presidente, no entanto, explicou que ela tem pouca receptividade no Congresso Nacional.

Vemos com bons olhos a possibilidade de voto distrital misto. Ele dialoga com todas as ideias e deu certo na Alemanha: mantém a metade dos eleitos no proporcional e metade nos distritos. Ganha-se o que tem de bom nos dois sistemas”, explicou.

Para a Ordem, o chamado “distritão”, em que são eleitos os mais votados em cada Estado, é ruim porque continua forçando os candidatos a fazerem grandes campanhas.

O político se sentirá dono de seu mandato, então é grande a chance de acabar a importância dos partidos políticos e da representação partidária. Cada um será seu próprio partido, o que é péssimo para a democracia”, disse.

Furtado Coêlho também posicionou-se contra a proposta em análise no Congresso Nacional de unificação das eleições a cada cinco anos. “O quadro ficará engessado por um longo período, sem renovação ou alternância. Para o problema da falta de gestão, é um remédio desproporcional: são direitos da população votar e criticar. O remédio ideal é o fim da reeleição, pois o eleito fará o melhor mandato sem pensar em uma segunda chance”, sugeriu. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB.

Revista Consultor Jurídico, 17 de maio de 2015, 13h09

Reforma Democrática

Para um corporativista como um presidente de conselho federal profissional, alegar “democracia”, “interesse público”, “bem público”, soa mais como adestramento ideológico do que discurso político. Talvez ele se refira a http://www.implicante.org/blog/a-incrivel-historia-da-banca-de-jornal-que-virou-grafica-e-recebeu-r-16-milhoes-da-campanha-de-dilma-rousseff-em-2014/, para exemplo de influência criminosa do Poder Econômico sobre o processo eleitoral.

Não é a presença do dinheiro que compromete o processo, é o processo e os ENVOLVIDOS no processo: CANDIDATOS e ELEITORES.

E o presidente da OAB Federal, definitivamente, tem perfil para ambos os lados do balcão.

Esquece, como já esqueceu o Min. Ayres de Brito, que os partidos políticos são INSTITUIÇÕES PRIVADAS, e SUSTENTADAS por dinheiro privado.

A presença do dinheiro público na sustentação dos partidos é a fonte da corrupção dos partidos, pois põe na mão do candidato o imposto que foi pago para outras finalidades. Certamente, um partido político não é um “bem público”, ou serve ao “interesse público”, uma vez que é PRIVADO dos que têm a mesma ideia e se agrupam no partido para atingir seus objetivos privados.

E é por isto que vão às ruas para pedir por votos, para alcançar seus objetivos privados com a ajuda dos que CONCORDEM COM OS MESMOS OBJETIVOS PRIVADOS.

Em verdade, é uma ação “entre amigos” que busca a dar a todos os que participam alcançar o mesmo objetivo.

Nenhuma empresa privada vai por dinheiro fora em políticos corruPTos, pois isto significaria aceitar pagar um imposto a mais. Diminuir seus ganhos.

Mas, com politicas corruPTas como a que ocupa a presidência, e seu antecessor, certamente, o presidente da OAB Federal está certíssimo.

Temos de limpar a política nacional desta gentalha.

Personalismo na Política

Querer diminuir o “a influência do poder econômico e do personalismo nas campanhas” é querer acabar com a política, pois somente com as pessoas – pessoalmente – é que existe política.

O que significa dimuir “a influência do poder econômico e do personalismo nas campanhas”?

Se os partidos são instituições privadas e têm seu financiamento por entidades e pessoas privadas – o autor não questiona a corrupção que significa dar dinheiro dos impostos para entidades privadas, tampouco os critérios com que isto é feito – e se são as pessoas, com suas personalidades que atraem a atenção de outras pessoas – e suas personalidades – com suas ideias e propostas políticas, o quê, exatamente, o advogado quer por no lugar disto para “fazer política”?

Figura 2 Pedestres ao passarem por vítimas do Holodomor em Carcóvia em 1933.

Parece que o advogado (uma profissão LIBERAL e PRIVADA) concorda com o Min Ayres de Brito, que “advoga” a instalação de um sistema comunista no Brasil, com a correspondente extinção do negócio privado, empresas, empresários, etc.

Pergunto-me se o Ministro e o advogado concordariam nos métodos comunistas tradicionais (conservadores) de extinção dos “capitalistas”: a MORTE PELA FOME2, ou a MORTE PELO TRABALHO ESCRAVO em CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO e de EXTERMÍNIO3.

Ambos métodos largamente usados pelos socialistas, comunistas, soviéticos, desde os anos 20 do século XX.

Se ambos os juristas desejam se mostrar ao público como “caçadores de corruPTos” – já houve quem caçasse marajás – poderiam tornar mais clara sua posição ideológica. Defendem a “democracia” mas propõem marcos regulatórios ideológicos de origem proletarista.

Se desejam mostrar que a corrupção faz parte do “mundo capitalista”, como explicariam que não há a menor diferença entre o regime Czarista e o regime Comunista, na Rússia?4 A verdade sobre o regime soviético está sendo escondida da população do Brasil desde o final da Segunda Guerra Mundial. Assim como a verdade sobre Cuba.

A ojeriza ao negócio privado e ao empresário e empresas é tão gritante que chega ser usado como mantra para impor a ideologia proletarista nos “negócios” do Estado.

O Sistema Político e Eleitoral

Ao criticar os políticos por não perceberem que “a cada eleição só mudam os personagens, mas o modelo é o mesmo” o advogado “esquece” que está cobrando mudar o sistema sem mudar os políticos.

Como esperar que os políticos mudem o sistema que irá …. mudá-los? A primeira ação de um político é sua sobrevivência política. E a mudança do sistema com os políticos que foram eleitos no sistema atual é suicídio político.

Que precisamos de outro sistema, todos concordamos, mas pedir aos políticos que estão aí para fazer a mudança ….

Precisamos de uma eleição de renovação total para criar o sistema político e eleitoral e depois outra eleição para o sistema funcionar.

Mas os que estão aí devem ser inelegíveis.

A manipulação da “opinião pública” fica claramente posta quando o advogado pune o bom político para garantir que ele não seja um mau político, ao proclamar que o “remédio ideal é o fim da reeleição”, pois o fato de um pollitico ter um madato positivo e não poder ser reeleito fará com que a primeira prioridade do político – a sobrevivência política – seja garantida de outra maneira.

O Orçamento é peça politica

Se um político não pode ser reeleito então a quadrilha será ainda mais especializada para garantir que ele volte depois do mandato do associado.

O problema não é se tem ou não reeleição, mas como é feita a seleção do candidato e o quê ele fará após eleito.

Creio que o maior problema, e que nem o Ministro nem o advogado estão vendo (ou não querem ver), é que o político é eleito para assumir o mando do orçamento, e sua escolha como candidato se baseia, agora, somente na capacidade de reunir investidores em sua campanha com vistas a lucrar quando eleito, pois estará com as mãos no orçamento.

Então, o problema é o político poder ter acesso ao orçamento após ser eleito, e ter poder para mudar o orçamento e a destinação dos recursos.

E o fato de ser eleito a partir de critério pessoais e não político-partidários.

Então podemos propor que o orçamento seja feito, preliminarmente, pelos partidos politicos, entre as eleições, e os candidatos apresentem suas propostas de gastos para a população.

Após a posse, os políticos poderão adequar o orçamento vitorioso nas urnas à realidade dos gastos, mas não poderão mudar o orçamento e a destinação dos recursos.

E para serem candidatos, os partidos devem fazer eleições primárias para oferecer os candidatos que o povo quer com as propostas que levantaram durante o tempo entre uma eleição e a seguinte.

Ou seja, as mudanças que preconizam são de natureza ideológica, não sistêmicas, e promovem uma maior intervenção do Estado e do Governo na vida privada e na economia privada, mas não resolvem os problemas.

Se um político tem de oferecer sua proposta de orçamento na campanha – já foi selecionado nas primárias do partido – os empresários terão de financiar a campanha dos candidatos durante 3 ou 4 anos, pois durante este tempo os candidatos estarão fazendo os levantamentos dos gastos necessários junto à população.

Com isto diminui, em muito, a influência do poder econômico nas campanhas, pois estas vão durar por dois ou mais anos.

Com o orçamento sendo imperativo e não uma peça política, como agora, e não podendo ser negociado, mas apenas ser implementado, os políticos terão de desenvolver outras estratégias para garantir sua sobrevivência política.

E o sistema eleitoral pode ficar como está, com as alterações da administração dos partidos, eleições primárias, e outros itens adequados à nova situação.

1Disponível em http://www.recantodasletras.com.br/gramatica/1546300/. Visitado em 03/06/15.

2Holodomor é uma palavra ucraniana que quer dizer “deixar morrer de fome”, “morrer de inanição”. Disponível em http://www.rcub.com.br/rcub/ucrania/holodomor/. Veja também http://reaconaria.org/colunas/dacia/holodomor-80-anos-de-um-terrivel-genocidio-comunista/, e http://pt.metapedia.org/wiki/Holodomor/, ou em http://www.historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/holodomor.htm/. Visitado em 04/06/15.

3Este trabalho objetiva analisar os principais processos de Moscou durante operíodo do terror stalinista, bem como o funcionamento dos campos deconcentração e do sistema judiciário russo. A análise deste assunto é deextrema importância porque assim conseguimos identificar até que ponto de crueldade um homem pode chegar para atingir seus objetivos, escondendo-seatrás de uma ideologia, assim como Stálin fez. Disponível em http://pt.scribd.com/doc/45105718/PROCESSOS-DE-MOSCOU-E-OS-CAMPOS-DE-CONCENTRACAO-RUSSO/. Visitado em 04/06/15.

4Rússia do século XIX, mais conhecida como Rússia Czarista, era caracterizada por possuir uma base econômica agrária e feudal, onde a maior parte das relações de trabalho era de ordem servil. Essa monarquia autocrática foi marcada pelo autoritarismo da direção de Czares, os quais possuíam poder absoluto e ditatorial, além do auto índice de corrupção junto com uma enorme incapacidade administrativa gerando um governo arcaico e repressor. Disponível em https://pt.scribd.com/doc/45105718/PROCESSOS-DE-MOSCOU-E-OS-CAMPOS-DE-CONCENTRACAO-RUSSO/. Visitado em 04/06/15.

Anúncios

Deixe uma resposta. Participe do debate em http://www.subsistencia.org/mailman/listinfo/plbr_subsistencia.org/.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

The Savvy Sister

Simple changes for healthy living

Tech World

Yet another tech blog

Ceticismo Político

Análise política para adultos

Falando em Justiça Fiscal...

Espaço de discussão e promoção da Justiça Fiscal no Brasil

Eight to Late

Sensemaking and Analytics for Organizations

C.c

COISAeCOUSA

Moved by Freedom - Powered by Standards

A weblog by Charles-H. Schulz.

Hildegard Angel

Pode não ser a melhor opinião, pode não ser a sua opinião, mas esta é uma coluna com opinião!

Existential Type

Thoughts from an existential type.

Vijay's Tech Encounters

My Encounters with Hardware and Software

Life of a Geek Admin

The Adventures of a True Geek Administrator

The PBX Blog

Collaboration, evolved.

Logiscon

Consultoria Logística, Treinamento e Cursos

Instituto Liberal

Problemas Sociais - Soluções Liberais

Agência Liberal de Notícias Brasil

Porque notícias também devem ter ideias

CONFEI - Conselho Federal de Informática

Movimento #CONFEI Todos a favor da Criação do Conselho Federal de Informática do Brasil

%d blogueiros gostam disto: