Skip to content

As Estratégias Internacionais dos Comunistas: continua tudo igual à 1917?

13 de julho de 2014

 

 

Para dar continuidade à estratégia internacional comunista proposta nas “Teses Acerca do Movimento Revolucionário nos Países Colonias e Semi-Coloniais”, no Sexto Congresso da Internacional Comunista, de 1 de Setembro de 1928″, pode-se identificar, nas ações de governo e na práxis política dos partidos proletaristas brasilianos (sociais-democratas, socialistas, comunistas), a continuidade das políticas comunistas então propostas?

 

As Tarefas Imediatas dos Comunistas

http://www.marxists.org/portugues/tematica/1928/09/teses_comintern.htm

Observação: Adoptadas pelo Sexto Congresso do Comintern, projetado e introduzido por Kuusinen. Extractos, 1 de Setembro de 1928, Protokoll, vi, 4, p. 154
Fonte:
A Internacional Comunista Stalinistas-Hoxhaistas.

Transcrição e HTML: Fernando A. S. Araújo.

Direitos de Reprodução: licenciado sob uma Licença Creative Commons.

“I. Introdução

1. O sexto congresso da Internacional Comunista declara que as teses acerca da questão nacional e colonial concebidas por Lenine e adoptadas pelo segundo congresso ainda são totalmente válidas e devem seguir de guia para o futuro trabalho dos partidos comunistas. Desde o segundo congresso que o significado das colónias e das semi-colónias enquanto factores de crise no contexto do sistema imperialista mundial se tem intensificado…”

“A construção e o desenvolvimento dos partidos comunistas nas colónias e nas semi-colónias e a eliminação da discrepância excessiva entre a situação revolucionária objectiva e a falta do factor subjectivo constituem uma das tarefas mais urgentes e importantes da Internacional Comunista. Nesta tarefa, ela encontra muitas dificuldades objectivas determinadas pelo desenvolvimento histórico e pela estrutura social destes países…

Os partidos comunistas nos países coloniais e semi-coloniais devem fazer todos os esforços para criarem funcionários de partido vindos das fileiras da própria classe operária, devem utilizar os intelectuais no partido como directores de propaganda e das escolas do partido legais e ilegais, devem treinar os trabalhadores mais avançados como agitadores, propagandistas, organizadores e líderes educados no espírito do Leninismo. Os partidos comunistas nos países coloniais devem também tornar-se verdadeiros partidos comunistas no que toca á sua composição social. Ao mesmo tempo que conduzem ás suas fileiras os melhores elementos da intelectualidade revolucionária forjados na luta diária e nas grandes batalhas revolucionárias, os partidos comunistas devem dar a maior atenção ao fortalecimento da organização do partido nas fábricas e nas minas, entre os trabalhadores dos transportes e entre os semi-escravos das plantações…

Juntamente com o desenvolvimento do próprio partido comunista, a mais importante das tarefas gerias imediatas nas colónias e nas semi-colónias é a do trabalho sindical…

Os comunistas devem conduzir a propaganda revolucionária nos sindicatos reaccionários que possuam influência no seio da classe operária. Nestes países, a liderança da ISV deve ser consultada onde quer que as circunstâncias ditem a necessidade de estabelecer sindicatos revolucionários separados (porque a liderança sindical reaccionária impede a organização dos trabalhadores, age em oposição aos fundamentos mais elementares da democracia sindical e converte os sindicatos em organizações fura-greves, etc.).

É preciso dedicar especial atenção ás intrigas da Internacional de Amesterdão nos países coloniais (China, Índia e Norte de África) e denunciar o seu carácter reaccionário perante os olhos das massas. É obrigatório que os partidos comunistas das metrópoles ajudem activamente o movimento sindical revolucionário nas colónias através de conselhos e do envio de instrutores permanentes. Até agora sido feito muito pouco relativamente a esta assunto.

Onde quer que existam organizações camponesas – independentemente do seu carácter, desde que sejam verdadeiras organizações de massas – o partido comunista deve tentar penetrar nestas organizações. Uma das tarefas mais urgentes do partido é a de apresentar correctamente a questão agrária á classe trabalhadora, explicando a importância e o papel decisivo da revolução agrária e familiarizando os membros do partido com os métodos de agitação, propaganda e trabalho organizacional entre o campesinato…

Os comunistas devem tentar dar uma natureza revolucionária ao movimento camponês. Eles devem também organizar novos sindicatos e comités de camponeses revolucionários com os quais devem manter contactos regulares. É essencial levar a cabo uma propaganda enérgica a favor da aliança entre o proletariado e o campesinato tanto no seio das massas camponesas como no seio das fieiras proletárias

Apesar do seu carácter revolucionário, os partidos especiais de operários e de camponeses que existam em determinados períodos podem facilmente degenerar em partidos pequeno-burgueses; por isso não é aconselhável a formação desses partidos. O partido comunista nunca deve construir a sua organização com base na fusão de duas classes; tal como também não deve fazer uso desta base – que é característica dos grupos pequeno-burgueses – na sua tarefa de organizar outros partidos…”

Manifesto de Maio

Luiz Carlos Prestes

29 Maio de 1930


Primeira Edição: Diário da Noite, São Paulo, 2ª edição, 29/05/1930.

Fonte: PRESTES, Anita Leocádia, A Coluna Prestes.

Transcrição e HTML: Fernando A. S. Araújo, maio 2006.

Direitos de Reprodução: Autorização. A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License – http://www.marxists.org/portugues/prestes/1930/05/manifesto.htm.


Ao proletariado sofredor das nossas cidades, aos trabalhadores oprimidos das fazendas e das estâncias, à massa miserável do nosso sertão e muito especialmente aos revolucionários sinceros, aos que estão dispostos à luta e ao sacrifício em prol da profunda transformação por que necessitamos passar, são dirigidas estas linhas.

Despidas de quaisquer veleidades retóricas, foram elas escritas com o objetivo principal de esclarecer e precisar a minha opinião a respeito do momento revolucionário brasileiro, e mostrar a necessidade de uma completa modificação na orientação política que temos seguido, a fim de podermos alcançar a vitória almejada.

A última campanha política acaba de encerrar-se. Mais uma farsa eleitoral, metódica e cuidadosamente preparada pelos politiqueiros, foi levada a efeito com o concurso ingênuo de muitos e de grande número de sonhadores ainda não convencidos da inutilidade de tais esforços.

Mais uma vez os verdadeiros interesses populares foram sacrificados e vilmente mistificado todo o povo, por uma campanha aparentemente democrática, mas que no fundo não era mais do que a luta entre os interesses contrários de duas correntes oligárquicas, apoiadas e estimuladas pelos dois grandes imperialismos que nos escravizam, e aos quais os politiqueiros brasileiros entregam, de pés e mãos atados, toda a Nação.

Fazendo tais afirmações, não posso, no entanto, deixar de reconhecer entre os elementos da Aliança Liberal grande número de revolucionários sinceros, com os quais creio poder continuar a contar na luta franca e decidida que ora proponho a todos os opressores.

É bem verdade que, em parte por omissão e em parte por indecisão, fomos também cúmplices da grande mistificação. Silenciamos, enquanto os liberais de todos os matizes e categorias, dos da primeira aos da última hora, abusaram sempre do nome da revolução e particularmente do dos seus chefes. Houve quem afirmasse, de uma tribuna pública, apoiar politicamente os liberais por ordem de seus chefes revolucionários. Não foi desmentido. A caravana política do Norte do País, para melhor aproveitar do profundo espírito revolucionário dos mais sofredores dos nossos irmãos, os nordestinos, fez toda a sua propaganda em torno da revolução e, no entanto, era um dos seus membros de destaque o atual diretor da “Federação”, órgão que traduz e melhor interpreta os pensamentos dos reacionários do sul.

Apesar de toda essa demagogia revolucionária e de dizerem os liberais propugnarem pela revogação das últimas leis de opressão, não houve, dentro da Aliança Liberal, quem protestasse contra a brutal perseguição política de que foram vítimas as associações proletárias de todo o País, durante a última campanha eleitoral, e no próprio Rio Grande do Sul, em plena fase eleitoral, foi iniciada a mais violenta perseguição aos trabalhadores em luta por suas próprias reivindicações. São idênticos os propósitos reacionários das oligarquias em luta.

A tudo assistimos calados, sacrificando o prestígio moral da revolução, sempre crentes no milagre que seria a eventualidade de uma luta armada entre as duas correntes em choque e que, desta luta entre os dois interesses, pudesse talvez surgir a terceira corrente, aquela que viesse satisfazer realmente as grandes necessidades de um povo empobrecido, sacrificado e oprimido por meia dúzia de senhores, que, proprietários da terra e dos meios de produção, se julgam a elite capaz de dirigir um povo de analfabetos e desfibrados, na opinião deles, e dos seus sociólogos de encomenda.

De qualquer forma, o erro foi cometido e é dele que nos devemos penitenciar publicamente, procurando, com toda a clareza e sem receios de qualquer ordem, qual o verdadeiro caminho a seguir para levar para diante a bandeira revolucionária, que hoje — mais do que nunca — precisamos sustentar. Sirva-nos para alguma coisa a experiência adquirida e dediquemo-nos, com coragem, convicção e real espírito de sacrifício, à luta pelas verdadeiras reivindicações da massa oprimida.

A revolução brasileira não pode ser feita com o programa anódino da Aliança Liberal. Uma simples mudança de homens, um voto secreto, promessas de liberdade eleitoral, de honestidade administrativa, de respeito à Constituição e moeda estável e outras panacéias, nada resolvem, nem podem de maneira alguma interessar à grande maioria da nossa população, sem o apoio da qual qualquer revolução que se faça terá o caráter de uma simples luta entre as oligarquias dominantes.

Não nos enganemos. Somos governados por uma minoria que, proprietária das terras, das fazendas e latifúndios e senhora dos meios de produção e apoiada nos imperialismos estrangeiros que nos exploram e nos dividem, só será dominada pela verdadeira insurreição generalizada, pelo levantamento consciente das mais vastas massas das nossas populações dos sertões e das cidades.

Contra as duas vigas-mestras que sustentam economicamente os atuais oligarcas, precisam, pois, ser dirigidos os nossos golpes — a grande propriedade territorial e o imperialismo anglo-americano. Essas as duas causas fundamentais da opressão política em que vivemos e das crises econômicas sucessivas em que nos debatemos.

O Brasil vive sufocado pelo latifúndio, pelo regime feudal da propriedade agrária, onde se já não há propriamente o braço escravo, o que persiste é um regime de semi-escravidão e semi-servidão.

O governo dos coronéis, chefes políticos, donos da terra, só pode ser o que ai temos: opressão política e exploração impositiva.

Toda a ação governamental, política e administrativa, gira em torno dos interesses de tais senhores que não medem recursos na defesa de seus privilégios. De tal regime decorrem quase todos os nossos males. Querer remediá-los pelo voto secreto ou pelo ensino obrigatório é ingenuidade de quem não quer ver a realidade nacional.

É irrisório falar em liberdade eleitoral, quando não há independência econômica, como de educação popular, quando se quer explorar o povo. Vivemos sob o jugo dos banqueiros de Londres e Nova Iorque.

Todas as nossas fontes de renda dependem do capitalismo inglês ou americano, em cujo poder estão também os mais importantes serviços públicos, os transportes e as indústrias em geral. Os próprios latifúndios vão passando, aos poucos, para as mãos do capitalismo estrangeiro.

A eles já pertencem as nossas grandes reservas de minério de ferro do Estado de Minas Gerais, extensas porções territoriais do Amazonas e do Pará, onde talvez estejam os nossos depósitos petrolíferos.

Todas as rendas nacionais estão oneradas pelos empréstimos estrangeiros.

Dessa dependência financeira decorre naturalmente um regime de exploração semifeudal, em que se desenvolve toda a nossa economia.

Os capitais estrangeiros investidos na nossa produção provocam um crescimento monstruoso em nossa vida econômica, tendente exclusivamente à exploração das riquezas naturais, das fontes de matérias-primas, reservado o mercado nacional para a colocação dos produtos fabricados nas metrópoles imperialistas.

A atividade desse capital só pode, portanto, ser prejudicial ao País. Dessa forma, todo o esforço nacional, todo o nosso trabalho é canalizado para o exterior.

Por outro lado, a luta evidente pelo predomínio econômico entre os dois imperialismos, que nos subjugam e colonizam, prepara, com o auxílio do nosso governo “nacionalista” e “patriota”, o esfacelamento da nação.

A verdadeira luta pela independência nacional deve, portanto, realizar-se contra os grandes senhores da Inglaterra e contra o imperialismo e só poderá ser levada a efeito pela verdadeira insurreição nacional de todos os trabalhadores.

As possibilidades atuais de tal revolução são as melhores possíveis.

A crise econômica que atravessamos, apesar dos anunciados saldos orçamentários e da proclamada estabilidade monetária, é incontestável. Os impostos aumentam, elevam-se os preços dos artigos de primeira necessidade e baixam os salários. A única solução encontrada pelos governos, dentro das contradições do regime em que se debatem, são os empréstimos externos com uma maior exploração da nossa massa trabalhadora e conseqüente agravação da opressão política. A situação internacional é, por outra parte, de grandes dificuldades para os capitalismos que nos dominam, a braços com os mais sérios problemas internos, como o da desocupação de grandes massas trabalhadoras e as insurreições nacionalistas de suas colônias.

Além disso, o Brasil, pelas suas naturais riquezas, pela fertilidade de seu solo, pela sua extensão territorial, pelas possibilidades de um rápido desenvolvimento industrial autônomo, está em condições vantajosíssimas para vencer, com relativa rapidez, nesta luta pela sua verdadeira e real emancipação.

Para sustentar as reivindicações da revolução que propomos — única que julgamos útil aos interesses nacionais — o governo a surgir precisará ser realizado pelas verdadeiras massas trabalhadoras das cidades e dos sertões. Um governo capaz de garantir todas as mais necessárias e indispensáveis reivindicações sociais: limitação das horas de trabalho, proteção ao trabalho das mulheres e crianças, seguros contra acidentes, o desemprego, a velhice, a invalidez e a doença, direito de greve, de reunião e de organização.

Só um governo de todos os trabalhadores, baseado nos conselhos de trabalhadores da cidade e do campo, soldados e marinheiros, poderá cumprir tal programa.

A vitória da revolução, em tal momento, mais depende da segurança com que orientarmos a luta, do que das resistências que nos possam ser opostas pelos dominadores atuais, em franca desorganização e ineptamente dirigidos.

Proclamemos, portanto, a revolução agrária e antiimperialista realizada e sustentada pelas grandes massas da nossa população.

Lutemos pela completa libertação dos trabalhadores agrícolas de todas as formas de exploração feudais e coloniais, pela confiscação, nacionalização e divisão das terras, pela entrega da terra gratuitamente aos que trabalham. Pela libertação do Brasil do jugo do imperialismo, pela confiscação e nacionalização das empresas nacionalistas [sic] de latifúndios, concessões, vias de comunicações, serviços públicos, minas, bancos e anulação das dívidas externas.

Pela instituição de um governo realmente surgido dos trabalhadores das cidades e das fazendas, em completo entendimento com os movimentos revolucionários antiimperialistas dos países latino-americanos e capaz de esmagar os privilégios dos atuais dominadores e sustentar as reivindicações revolucionárias.

Assim, venceremos.

Luiz Carlos Prestes

Buenos Aires, maio de 1930.

Plataforma Revolucionária Mundial da Internacional Comunista

Trabalhadores!

A plataforma é o futuro! Leiam-na! Ela indica o caminho da vossa Libertação!

Aniquilem o imperialismo mundial!

Destruam implacavelmente o capitalismo mundial!

Viva a revolução proletária armada!

Viva a ditadura proletária mundial!

Viva o internacionalismo proletário globalizado!

Vivam os 5 Clássicos do Marxismo-Leninismo!

Viva o Comintern (EH) – o único verdadeiro defensor da revolução proletária mundial!

(DECLARAÇÃO PROGRAMÁTICA MUNDIAL) – 27 de Novembro de 2009

http://ciml.250x.com/world_revolutionary_platform_of_the_communist_international_portuguese.pdf

A Revolução Russa foi o teste final para a revolução proletária mundial.”

Nós não estamos a lutar somente pela nossa vitória socialista – nós lutamos pela vitória dos trabalhadores de todo o mundo – juntamente connosco.”

A era da revolução proletária e comunista começou.”

Não há poder sobre a terra que consiga parar o movimento da revolução comunista mundial.”

A fundação da Internacional Comunista foi a percursora da vitória do comunismo em todo o mundo.”

Na sua essência, a Internacional Comunista não desapareceu – permanece até hoje e também permanecerá no futuro.”

LÉNINE

Declaração Programática da Internacional Comunista

A crise do parasítico, podre e moribundo sistema capitalista é a véspera da Revolução Socialista mundial!

A presente situação internacional é uma situação revolucionária, caracterizada pelos seus colapsos ruinosos e pelas suas dolorosas oscilações que alteram a vida de todos os seres humanos. O imperialismo mundial condena o proletariado mundial e as massas do mundo inteiro ao abismo das condições de vida mais catastróficas e intoleráveis. O imperialismo mundial gera o empobrecimento das classes trabalhadoras, que nunca mais se livrarão desse empobrecimento sem eliminarem o sistema que lhe dá origem. O capitalismo assinou já a sua sentença de morte, porque o mundo não está disposto a sofrer mais a sua dominação.

O poder do capitalismo mundial provoca a oposição crescente das massas – o capitalismo mundial está condenado á morte.

O proletariado mundial, a única classe verdadeiramente revolucionária, compreende a sua missão histórica e derrota os baluartes do imperialismo em todos os continentes. O proletariado mundial conduz as massas com o objectivo de transformar o mundo antigo num mundo totalmente novo. Ele derruba o poder do capitalismo mundial, elimina a exploração e a repressão e abole o mundo miserável do capitalismo.

O proletariado mundial vai confiscar aos capitalistas de todo o mundo as suas riquezas e ao mesmo tempo vai também eliminar a pobreza mundial. Através deste feito heróico e revolucionário que marcará a história da Humanidade, o proletariado mundial obrigará a burguesia mundial a render-se, chegando assim para esta a última fase da sua história.

A época do imperialismo mundial termina.

A época do socialismo mundial começa.

O Estalinismo-Hoxhaismo é o Marxismo-Leninismo revolucionário dos dias de hoje.

O Estalinismo-Hoxhaismo é o desenvolvimento qualitativo do Marxismo-Leninismo para se tornar na ideologia dominante do socialismo mundial.

A propaganda comunista e propaganda nacional-socialista têm tudo em comum.

O revisionismo da história – da própria e da dos outros povos e sociedades –, é a base da construção da verdade revolucionária que usam para envenenar as mentes mais jovens, que não conhecem a história, não conhecem a realidade construída a partir do saber acadêmico, isento ideologicamente. É a falta da escola e do saber construído a partir das próprias experiências.

As mentiras são reproduzidas e repetidas como fontes da única verdade conhecida: a revolução proletária.

No entanto, depois das experiências da Rússia – conheça www.SovietStory.com -, da China, da Europa Oriental invadida por mais de 60 anos e de Cuba – conheça www.PowerOfCommunity.org – negam que houve um só momento de socialismo ou comunismo no mundo. E nos países de “capitalismo atrasado” – como o Brasil -, segundo a “teoria” de Marx – o Mensaleiro-mor – tentam implantar um socialismo/comunismo revisionista – à la Gramsci – mas não podem impedir de “liberar” impostos – os impostos são a chave-mestra da social-democracia, socialismo e comunismo para destruir com o “capitalismo” -, auto-denominando-se “sociais-liberais”, como se pudessem “chegar ao liberalismo e ensinar liberalismo aos liberais”.

Pelos textos básicos do comunismo internacionalistas acima reproduzidos pode-se acompanhar a “evolução” do discurso e da práxis política dos comunistas.

Comunossauros.

 

 

Anúncios
No comments yet

Deixe uma resposta. Participe do debate em http://www.subsistencia.org/mailman/listinfo/plbr_subsistencia.org/.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

The Savvy Sister

Simple changes for healthy living

Tech World

Yet another tech blog

Ceticismo Político

Análise política para adultos

Falando em Justiça Fiscal...

Espaço de discussão e promoção da Justiça Fiscal no Brasil

Eight to Late

Sensemaking and Analytics for Organizations

C.c

COISAeCOUSA

Moved by Freedom - Powered by Standards

A weblog by Charles-H. Schulz.

Hildegard Angel

Pode não ser a melhor opinião, pode não ser a sua opinião, mas esta é uma coluna com opinião!

Existential Type

Thoughts from an existential type.

Vijay's Tech Encounters

My Encounters with Hardware and Software

Life of a Geek Admin

The Adventures of a True Geek Administrator

The PBX Blog

Collaboration, evolved.

Logiscon

Consultoria Logística, Treinamento e Cursos

Instituto Liberal

Problemas Sociais - Soluções Liberais

Agência Liberal de Notícias Brasil

Porque notícias também devem ter ideias

CONFEI - Conselho Federal de Informática

Movimento #CONFEI Todos a favor da Criação do Conselho Federal de Informática do Brasil

%d blogueiros gostam disto: